Smart City ou Cidade Inteligente é um lugar onde a tecnologia se torna viva, assim definiu de forma lúdica e simples Peter Sany, CEO do TM Forum. Para ser mais exato, o conceito de Cidade Inteligente engloba uma gestão urbana com a participação cidadã, onde população, empresas e governo tornam-se conectados entre si através da tecnologia.

Estamos falando de uma cidade inovadora que usa as Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) para embasar a tomada de decisão, melhorando a eficiência dos serviços urbanos e promovendo a inovação e as soluções criativas para a geração de empregos e redução das desigualdades.

Enfrentar os desafios comuns da gestão de uma cidade tem exigido uma evolução no campo da governança. Por isso, uma gestão inteligente hoje passa obrigatoriamente pela adoção de ferramentas de tecnologia e comunicação. É assim que muitas cidades já estão avançando em setores como transparência da gestão fiscal, competitividade, segurança, mobilidade, vulnerabilidade climática, entre tantos outros aspectos importantes para o desenvolvimento.

Uma das grandes ferramentas da gestão inteligente são os dispositivos e aplicativos móveis, que possibilitam à população não só o monitoramento como a colaboração com as políticas públicas do governo de suas cidades. O cidadão além de beneficiário, passa a ser participante dessa gestão. Através de aplicativos nos smartphones as pessoas podem informar sobre problemas da infraestrutura da cidade ou de segurança, solicitar serviços e receber alertas e informes dos centros de gestão.

Prefeitos, gestores, consultores, empresários e todos os interessados dos setores públicos e privados devem usar tecnologias disponíveis como, por exemplo, programas para análise de dados, aplicações móveis, mídias sociais e portais web, entre outras ferramentas.

De acordo com a GSMA Latin America, o quarto maior mercado mundial de telefonia móvel está aqui na América Latina. Já são 216 milhões de usuários da internet móvel com expectativa de chegar a 605 milhões em 2020. Isso significa quase 50% da população da América Latina fazendo uso de internet através de smartphones e, consequentemente, incentivando a gestão participativa.

A Cidade Inteligente na prática

Cidades como João Pessoa, Vitória, Florianópolis, Goiânia e Três Lagoas tem recebido o auxílio da Iniciativa Cidades Emergentes e Sustentáveis (ICES) para encontrar as melhores soluções através de plataformas de interação entre governos e cidadãos.

São exemplos de tecnologias: o controle de semáforos com adaptação constante do tempo de fechamento e abertura de acordo com o tráfego; o ponto de ônibus inteligente que informa o horário de chegada do próximo ônibus; os estacionamentos que identificam a presença de carros através de sensores de presença e informa a existência de vagas; as câmeras de segurança, que previnem delitos, poupam recursos humanos e fazem reconhecimento de imagens.

Diversos benefícios são possibilitados por sensores como os instalados na rede elétrica, conectados a Smart Grid, que informam sobre o consumo de energia em casa, facilitando o controle e a economia. Da mesma forma, ocorre com o consumo residencial da água controlado por sistemas digitais inteligentes.

A economia também ocorre na rede de abastecimento de água com sensores identificando vazamentos. Já os postes de iluminação ligam e desligam as lâmpadas conforme a luz ambiente ou a presença de pedestres.

Sensores já são utilizados também para controlar o volume de resíduos nas lixeiras públicas e os níveis de poluição e vazamentos químicos nas águas, entre outros.

É preciso planejar o futuro das cidades em consonância com o dia a dia cada vez mais digital das gerações contemporânea e futura. As Cidades Inteligentes promovem bem-estar econômico e social, sustentabilidade e qualidade de vida. Além disso, esse conceito de cidade é um grande gerador de riquezas, criando postos de emprego, ambiente inovador, competitivo e empreendedor. E tudo isso interessa aos cidadãos, governos e empresas, portanto, que venham cidades cada vez mais inteligentes!

A nossa plataforma de relacionamento pode se adaptar facilmente ao contexto de Cidades Inteligentes como portal integrador de cidadãos, informações, serviços e tecnologias digitais.